Cristina Esteche

Compromisso com o leitor

Início » Abstenções colocam eleição de Lula em risco

Abstenções colocam eleição de Lula em risco

Lula e Bolsonaro: corrida presidencial (Montagem: Gilson Boschiero/RSN)

Uma nova pesquisa, desta vez da Quaest, divulgada nesta quarta (26) mostra que Lula (PT) segue na liderança da corrida presidencial. Vale lembrar que o Brasil está a apenas quatro dias das eleições. Conforme os resultados de hoje, Lula tem 48% dos votos totais. Assim sendo, ele conta com seis pontos a mais que o presidente Bolsonaro. O presidente mantém os mesmos 42%, enquanto Lula cresceu um ponto desde a última pesquisa.

A pesquisa da Quaest ouviu presencialmente dois mil eleitores entre os dias 23 e 25 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais, com nível de confiança de 95%. O registro no TRE é BR-00470/2022, sob a contratação da contratada pela consultoria de investimentos Genial. Vamos aos fatos que pautam estes dias que antecedem o segundo turno das eleições presidenciais.

Estamos ficando como ‘biruta’ de aeroporto. Sabe, aquele equipamento, uma espécie de coador, que gira conforme a intensidade e a velocidade do vento. Mas o que tem nos deixado tontos, de novo, são as divergências de números das várias pesquisas de intenções de votos. São tantas emoções. Se de um lado, institutos apontam que o ex-presidente Lula se mantém à frente do Bolsonaro, de outro, há institutos que rebatem e colocam o ‘capitão’, como diz a esposa dele, a Michelle. Apontam empate técnico e até seis pontos de diferença dele para Lula. Com o ex-presidente atrás, é claro. É a tentativa de confundir o eleitor.

Na real

Mas uma avaliação feita pelo Quaest nesta quarta (25) nos leva a chegar mais próximos da real situação. Hoje a ‘vedete’ das eleições é o eleitor que está disposto a deixar de votar. São as abstenções. Conforme esse instituto, na última semana, Lula oscilou positivamente (veja pesquisa abaixo). Entretanto, entre os chamados ‘likely voters’ (metodologia que tenta identificar os eleitores com maior probabilidade de votar), o ex-presidente oscila de forma negativa. Ou seja, o eleitor que assume o voto ‘lulista’ tende a não comparecer às urnas, principalmente, no Nordeste e  Sudeste.

O que chama a atenção também é que os dados foram levantados após os ataques do ex-deputado Roberto Jefferson, contra a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia. Ele também confessou que disparou mais de 50 tiros e granadas contra policiais federais no último fim de semana durante cumprimento de mandado de prisão contra ele. Esse episódio, conforme a pesquisa, contribuiu para aumentar a rejeição de Bolsonaro em três pontos percentuais.

Na comparação com a edição anterior da pesquisa, divulgada no último dia 19, esse índice passou de 46% para 49%. Enquanto isso, a rejeição de Lula ficou estável em 43% na mesma base de comparação. A avaliação negativa do governo Bolsonaro teve leve aumento de uma semana para outra, entre as mulheres, passando para 42%. Entre os homens, manteve-se estável, em 37%.

De acordo coma metodologia desenvolvida pelo Quaest, Lula tem 52,1% contra 47,9% de Bolsonaro. Esse números levam em consideração os votos válidos. Como pode ser observado, esta é a a primeira vez que as estimativas se esbarram na margem de erro. Portanto, aí é que mora o perigo e coloca em risco a possível eleição ou derrota de Lula.

Portanto, está aí o viés da militância petista. Ou seja, correr atrás do eleitor que diz que vota no ex-presidente, mas que, por algum motivo, não está disposto a ir às urnas. Quanto a Bolsonaro, a julgar por essa avaliação, não há mais margem para crescimento. Ou seja, só restar convencer um ‘lulista’ a não votar.

Mulheres com Bolsonaro

Mulheres prestigiam Michelle Bolsonaro (Foto: Cristina Esteche/RSN)

Cerca de quatro mil mulheres e alguns homens participaram do encontro com Michelle Bolsonaro, no Centro de Eventos Cidade dos Lagos. O evento trouxe a Guarapuava uma comitiva  de deputadas federais e a ex-ministra Damares Alves.

Michelle, Damares (Republicanas) e a deputada federal Celina Leão (PP) se tornaram inseparáveis no segundo turno da campanha. Eleitas ao Senado e como vice-governadora do Rio de Janeiro, respectivamente, elas se juntaram à primeira-dama e estão rodando o país em busca de votos, especialmente os femininos, para a reeleição de Bolsonaro.

Em Guarapuava, no público, as participantes vestiam camisetas verde e amarelo. E o que não faltou foi a bandeira do Brasil, em vários tamanhos, nas mãos de todas. Apesar da maioria feminina, a ‘cota’ masculina foi preenchida pelo governador Ratinho Junior (PSD), prefeito Celso Góes (CD) e o deputado federal Ricardo Barros (PP).

E se o público se rebelou com o breve pronunciamento do prefeito, que teve que discursar sob os gritos que pediam ‘Michelle’ ‘Michelle’, o governador, que falou após o prefeito, foi muito aplaudido. No entanto, quem foi ovacionada pelo público foi Michelle.

De fininho

Ainda sobre a tarde dessa terça (25), o vice-prefeito Samuel Ribas Abreu ficou isolado no espaço reservado para autoridades. Prestigiou a primeira-dama Michelle Bolsonaro, mas não ficou até o fim. Acompanhado pela esposa, deixou o recinto antes do ‘comício’ terminar.

Méritos para a policial Ana

A deputada federal Celina Leão, responsável pelo cerimonial da primeira-dama Michelle Bolsonaro, reconheceu em Guarapuava, o empenho da policial militar Ana. Conforme Celina, foi ela quem mobilizou e conseguiu trazer o Michelle e comitiva na tarde dessa terça (25) ao Centro de Eventos ‘Cidade dos Lagos’. Conforme citou a deputada, a policial entrou em contato com ela, mobilizou grupos, organizou e conseguiu deixar outros municípios pra trás.

No público

O ex-prefeito Cesar Silvestri Filho (PSDB) não deixou de comparecer ao encontro com a primeira-dama do país. Entretanto, à distância, se manteve na dele, assistindo tudo do público. Mas não deixou de registrar o evento nas redes sociais dele.

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Cristina Esteche

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo