Cristina Esteche

Compromisso com o leitor

Início » Em ato de filiação, Requião pode ser coadjuvante

Em ato de filiação, Requião pode ser coadjuvante

Lula com Gleisi e Requião (Foto: Ricardo Stuckert)

A capital paranaense se prepara, sob dois ângulos, para a festa vermelha do PT. É que nesta sexta (18) o Partido dos Trabalhadores recebe o ex-senador Roberto Requião, principal adversário do governador Ratinho Junior nas eleições deste ano. A solenidade de filiação terá a presença do ex-presidente Lula. Também chegam por lá Gleisi Hoffmann, estrela na presidência nacional do Partido e outras lideranças de peso. O ato ocorre na Expo Unimed, às 18h.

Se os petistas estão animados e esperam contar com cerca de 1,5 mil pessoas no ato de filiação, no entanto, quem está com ‘dor de cabeça’ é a polícia. Isso porque, Lula desembarca na cidade onde ficou preso por 580 dias. Foi durante a Operação Lava Jato que ‘endeusou’ o ex-juiz Sergio Moro, hoje um dos possíveis adversários de Lula à sucessão do presidente Bolsonaro.

E falando nele, no presidente, ‘bolsonaristas’ e outros anti-petistas usam as redes sociais para a organização de protesto contra Lula. Entenderam o por quê do trabalho da polícia estar sendo reforçado? Ou será que os petistas se manterão passivos diante de uma possível agressão? Vale lembrar que Curitiba foi declarada a ‘capital da Lava-Jato’. Mas tem que ser lembrado também que numa das últimas pesquisas de intenções de votos, o ex-presidente está no topo, justamente na cidade que o ‘condenou’. E outro fato que não poder cair no esquecimento é a resistência e a fidelidade da militância que ficou 580 dias em vigília lá na Polícia Federal, cárcere de Lula. ‘Entonce’ tudo pode acontecer.

ÀS VÉSPERAS

E tem mais. Não sei se por coincidência ou propositalmente, a presença do ex-presidente em Curitiba ocorre no aniversário de oito anos da Lava-Jato. E é claro que Moro disparou farpas pelas redes sociais, nesta quinta (17). O ex-juiz, disse que “não teria dia mais infeliz” para o comentário de Lula. Conforme postou Moro, “há exatos 8 anos, a Lava Jato prendia um diretor da Petrobras que você [Lula] nomeou e que recolheu propina por uma década”. E continuou: “tem certeza que você quer falar disso justo hoje?” Moro se referia à prisão do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, que se tornou delator ao longo dos anos.

Ele, o ex-juiz, respondeu ao comentário feito por Lula, no início de hoje (17). Lula disse que a Petrobras é uma empresa que “investe no desenvolvimento do país”. Afirmou também que, quando governou o Brasil,  a estatal se tornou a segunda maior petroleira do mundo. Também citou o aumento no preço do combustível importado. “Essa gasolina chega a preço de dólar para o povo brasileiro”.

Como pode ser observado, a julgar pela prévia, Requião que deveria ser o protagonista da festa, deve ficar como coadjuvante.

Leia outras notícias no Portal RSN.

 

Cristina Esteche

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo