Cristina Esteche

Compromisso com o leitor

Início » ‘Fake news’ faz Requião perder 1 minuto em propaganda eleitoral

‘Fake news’ faz Requião perder 1 minuto em propaganda eleitoral

Justiça Eleitoral é rigorosa contra a propagação de ‘fake news’ (Imagem: Reprodução/Freepik)

Embora a Justiça Eleitoral esteja sendo rigorosa contra a propagação de ‘fake news’ tem candidato que não está nem aí. Um exemplo é a punição dada pela Justiça Eleitoral ao candidato Roberto Requião, que concorre ao Governo do Paraná. Ele deu depoimento que não condiz com verdade sobre o salário dos professores no Paraná. De acordo com a fala do candidato, a categoria estaria há seis anos sem reajuste. Por mais essa mentira Requião perde um minuto no horário eleitoral.

Conforme as informações, a verdade é que em 2021, o governador Ratinho Junior concedeu aumento de até 48,7% para professores em início de carreira. Também foram contemplados aqueles profissionais contratados pelo Processo Seletivo Simplificado. Com isso, o piso salarial dos professores saltou de R$ 3.730 para R$ 5.545.

Assim sendo, Ratinho Junior ganhou o minuto de Requião para desmentir a ‘fake news’. Será dentro do próprio programa ‘requianista’. No entanto, esta não é primeira vez que isso ocorre. Entre a pré-campanha e o início do período eleitoral, o Tribunal Regional Eleitoral já retirou do ar oito propagandas de Roberto Requião. Além disso, na semana passada, a campanha de Requião teve multa de R$ 120 mil. Isso porque ele veiculou 24 vezes vídeos irregulares na televisão. Trata-se de uma das maiores multas aplicadas no país pela Justiça Eleitoral, conforme o TRE.

Nossa, que coisa feia!

E falando em ‘fake news’ essa onda corre solta também por Guarapuava. Equipes que correm atrás de votos a candidatos de outros municípios, os chamados ‘paraquedistas’, estão trabalhando contra Guarapuava. Isso porque uma coisa muito feia está ocorrendo contra candidatos locais. Boatos circulam em grupos de campanhas tentando desqualificar este (a) ou aquele (a) candidato (a).

Acho que por falta de competência ou o receio de não conseguir o número de votos prometidos, ‘lideranças de última hora’ mentem. Dizem que candidatos e candidatas não pagam as equipes de trabalho e que não vão aguentar chegar até o fim do processo eleitoral. Mas é ‘pagar pra ver’.

E como disse um líder empresarial em contato com o blog, isso se trata de uma “traição a Guarapuava”. Conforme observou o empresário, enquanto outras regiões se unem para eleger o maior número possível de deputados, em Guarapuava a tônica é inversa. “Trazem candidatos de fora mesmo sabendo que estão prejudicando o município”.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Cristina Esteche

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo