Cristina Esteche

Compromisso com o leitor

Início » Famílias do CADÚnico não pagam a conta da luz no Paraná

Famílias do CADÚnico não pagam a conta da luz no Paraná

Famílias do CADÚnico não terão reajuste (Foto: Pixabay)

A Aneel aprovou novo reajuste tarifário e a população vai ter que desembolsar mais dinheiro na hora de pagar a conta da luz. No entanto, no Paraná, as famílias que fazem parte do programa  ‘Energia Solidária’ estão fora desse ‘pesadelo’. É que o Governo do Paraná mantém a isenção de tarifa para famílias de baixa renda, inscritas no Cadastro Único do governo federal. A única exigência é que o consumo seja de até 150 kWh por mês. De acordo com a Copel, em maio deste ano, cerca de 380 mil famílias no Paraná estavam ligadas ao programa.

Então tá!

Ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro (Foto: Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro insiste em dizer que a corrupção no governo continua sendo zero. Nesta quarta (22), conforme o Congresso em Foco, ao comentar a prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, o presidente repetiu: “Nós temos em cada ministério um sistema de compliance pra você realmente, se for enganado por alguém, não vai conseguir. Tanto é que é corrupção zero no nosso governo. No caso do Milton, pelo que estou sabendo, é aquela questão de que ele estaria com conversa meio informal demais com algumas pessoas de confiança dele. Houve denúncia de que ele teria buscado prefeitos e gente dele para negociar, liberar recursos, isso e aquilo. O que acontece? Nós afastamos ele”.

Entretanto, como observa o ‘Congresso em Foco’, Bolsonaro resistiu em afastar Ribeiro quando as denúncias vieram à tona. Ele chegou a dizer que à época que colocaria “a cara no fogo’ pelo ex-ministro.

Quatro a três

Foram quatro votos contra três e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu que partidos coligados para concorrer aos governos dos estados não podem fazer outra aliança para o cargo de senador. Dessa forma, fica mantida a jurisprudência da Corte impedindo que os partidos que se uniram para disputar a vaga de governador formem coligações distintas para concorrer ao Senado.

Entretanto, caso a coligação não abranja as duas vagas, de governador e senador, o TSE autorizou os partidos a lançarem candidaturas próprias, fora da aliança, para o cargo remanescente. Assim, também foi confirmada a possibilidade de uma agremiação, sem integrar qualquer coligação, lançar candidata ou candidato ao cargo de senador individualmente.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Cristina Esteche

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo