Cristina Esteche

Compromisso com o leitor

Início » Os 100 dias do governador, mas o desafio ainda é o pedágio

Os 100 dias do governador, mas o desafio ainda é o pedágio

Governador Ratinho Junior (Foto: Jonathan Campos/AEN)

Quem passa pela avenida Rubem Siqueira Ribas, acesso ao Jordão, em Guarapuava, ali perto do trilho do trem, vê uma placa. Ela anuncia a presença do Governo do Paraná com obras que se traduzem em qualidade de vida. Assim como em Guarapuava, outros municípios também recebem obras de infraestrutura necessárias à pavimentação. Só quem mora em locais onde não há asfalto pode dimensionar a importância do que é a pavimentação. Ela liga as pessoas com a saúde, os municípios com o desenvolvimento. Aliás, é justamente esse mote que norteia o segundo mandato do governador Ratinho Junior. E isso já se comprova nestes 100 dias de administração.

A inauguração da PRC-280, no Sudoeste, o lançamento de um pacote de investimentos de R$ 3,4 bilhões em obras de infraestrutura e do programa Asfalto Novo, Vida Nova, para pavimentar vias urbanas de todos os municípios com até sete mil habitantes, estão entre os destaques dos primeiros meses de gestão. De acordo com Ratinho Junior, não se trata apenas de asfalto novo, mas de um projeto completo de urbanização, com responsabilidade ambiental, acessibilidade, e que leva mais segurança aos municípios. “É uma iniciativa audaciosa, feita pelo Estado com o apoio fundamental da Alep, demonstrando o ambiente de paz e união política que construímos no Paraná”.

Em fevereiro também foi anunciado um pacote bilionário de obras de infraestrutura que devem ser licitadas ao longo dos próximos meses. A soma resulta em R$ 3,4 milhões em obras, com previsão de início para 2024. Excelente notícia, pois devem gerar cerca de 40 mil empregos diretos e indiretos ao longo dos próximos dois anos. Isso na construção civil, indústria e comércio, além de representar impacto de 0,4 % no crescimento do PIB em 2023.

JÁ TEMOS RESULTADOS

O governador também liderou uma missão internacional ao Japão e à Coreia do Sul. Trata-se da abertura do mercado para a carne paranaense. Maior produtor de proteína animal do Brasil, o Paraná tem a chancela de área livre de febre aftosa sem vacinação e de zona livre de peste suína clássica independente, o que permite ao Estado acessar novos mercados consumidores. E olha só. A missão internacional já rendeu novos investimentos para o Estado.

A empresa japonesa Sumitomo anunciou o aporte de cerca de R$ 1 bilhão para ampliar a fábrica de pneus em Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba. A previsão é de gerar mil empregos diretos e indiretos. Já a coreana Phycoil Biotechnology International deve instalar uma planta em Ivaiporã, no Norte do Estado. O investimento previsto é de R$ 315 milhões, com a possibilidade de criar 200 empregos diretos e indiretos.

Em outras áreas o Governo também deixa marcas de inserções. Após 10 anos, surge um concurso público para a contratação de 1,2 mil professores e pedagogos para a rede estadual de ensino. A lei que reformula e moderniza as carreiras do Quadro Próprio do Poder Executivo foi sancionada. Houve reajuste de 5,79% para os cerca de 271 mil servidores ativos e inativos do Estado. E ainda o reajuste adicional para os professores do Quadro Próprio do Magistério que ainda não recebiam o piso nacional da categoria, o equivalente a R$ 4.420,55.

EDUCAÇÃO

Na educação mais 173 ônibus escolares foram entregues para a rede pública, a um custo de R$ 117 milhões. E aí surge, novamente, a a parceria entre Governo e deputados. Metade dos recursos é do Governo e metade de emendas parlamentares. O Estado também distribuiu 77 mil novos equipamentos de informática e kits de robótica para escolas que somam um investimento de aproximadamente R$ 200 milhões do Governo do Estado.

E 253 colégios paranaenses contam agora com o ensino em tempo integral. São 86 instituições a mais do que no ano passado, o que representa uma expansão de 51% na rede, impactando 55 mil estudantes paranaenses.

PEDÁGIO É O MAIOR DESAFIO

No entanto, o maior desafio, envolve justamente as artérias do desenvolvimento. A falta do pedágio e de manutenção em rodovias paranaenses deterioram a pavimentação. Em campo, os governos federal e estadual. Na torcida, a população, os profissionais que trafegam por essas rodovias. Que o gol seja marcado logo e que o juiz apite o fim do jogo antes dos próximos 200 dias.

Leia outras notícias no Portal RSN.

Cristina Esteche

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo