Cristina Esteche

Compromisso com o leitor

Início » Pela primeira vez Rita Felchak não decorou o texto

Pela primeira vez Rita Felchak não decorou o texto

Rita e Celso (Foto: Secom/Prefeitura de Guarapuava)

Hoje Rita Felchak  escolheu não ser traída pela emoção. Para aatriz e diretora de teatro, premiada nacionalmente, talvez, em 30 anos ou mais, tenha sido esta a primeira vez que ela não decorou o texto. Também preferiu não se preocupar com as ‘deixas’. É que o sonho de se tornar a primeira secretária de Cultura de Guarapuava se materializou ao ser empossada pelo prefeito Celso Góes, na tarde desta sexta (3). Por isso, ela escreveu mais um roteiro e leu.

Sem papas na língua

João Napoleão, presidente da Câmara (Foto: Secom/Prefeiura de Guarapuava)

O presidente da Câmara de Vereadores de Guarapuava, João Napoleão anda fazendo depoimentos espirituosos. Disse que depois que sofreu um AVC fala o que tem vontade e acha que deve dizer. Na tarde desta sexta (3), por exemplo, durante as posse de Rita Felchak (Cultura) e Sávio Denardi (Ciência, Tecnologia e Inovação), na Prefeitura, o presidente ‘puxou a orelha’ de correligionários. Conclamou a todos para que saiam na defesa contra ataques que vêm sendo feitos por alguns a quem chamou de ‘larvas’ e ‘abutres,’ contra a administração pública.

Durante o pronunciamento, no entanto, ele arrancou risos, mas também aplausos, por parte do público que prestigiou a solenidade.

Não resistiu

Roberto Requião (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Na manhã desta sexta (3), o UOL e a Folha deram continuidade às entrevistas com os pré-candidatos ao governo do Paraná. O entrevistado da vez foi Roberto Requião. Embora os jornalistas tenham evitado temas polêmicos que pudessem colocar o ex-governador em ‘saia justa’, mesmo assim, Requião perdeu as ‘estribeiras’. Aliás, não é novidade nenhuma quando se trata da imprensa.

Ao ser questionado pela jornalista da Folha, Ana Luiza Albuquerque sobre a agressão de Requião a um jornalista no Senado Federal ele não poupou ironia. A jornalista perguntou sobre o episódio que  investigava autoridades públicas que ganhavam super salários no Brasil, o que é proibido pela lei. “Em 2011, você tirou um gravador da mão de um repórter e apagou o material que tinha no gravador”. Bem ao estilo do ‘velho’ Requião ele respondeu: “Querida, Ana Luiza, você está meio mal informada”. Em seguida o jornalista Kennedy Alencar interrompeu Requião: “É uma questão sobre aposentadoria. Você tem o direito de ficar contrariado, mas tomar o gravador da mão dele [o repórter] é um erro que você cometeu. É uma agressão”.

Vale lembrar que com esse acúmulo da aposentadoria de ex-governador e mais o salário de senador, Requião chegou a faturar R$ 64,2 mil por mês. Ou seja,  quase o dobro do que é permitido pela Constituição Federal.

Jogou a toalha

Ainda sobre Requião, em depoimento prestado ao canal de televisão do PT, o pré-candidato ao Governo do Paraná, foi taxativo: “Eu tenho muito mais interesse na eleição presidencial do que pela nossa guerra para o domínio do Paraná”.

Sei lá! Mas a julgar pela ‘fala’ de Requião parece que ele já ‘jogou a toalha’  antes mesmo da campanha eleitoral ter começado.

Há controvérsias

Qualquer semelhança entre o tratamento dado por Requião e por Bolsonaro a jornalistas seria mera coincidência?

Leia outras notícias no Portal RSN.

Cristina Esteche

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo